Policiais de Brasília estão perto de conquistar seu reajuste?

 

    Com a Polícia Civil parada, pressionando por aumentos, e a Polícia Militar insatisfeita com as condições de trabalho e de remuneração, o secretário de Segurança Pública do Distrito Federal, Sandro Avelar, diz que o GDF não abandonou a mesa de negociações com o Executivo federal, alega que os índices de criminalidade estão caindo e que o DF receberá fortes investimentos em vigilância eletrônica e treinamento de pessoal antes da Copa do Mundo.

    Como garantir a segurança da população neste cenário de insatisfação das corporações?

     O GDF está fazendo tudo que está ao alcance do executivo local. O governo está na mesa de negociação do MPOG (Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão) levando as reivindicações das categorias. Para a Polícia Militar, já abrimos concurso para repor militares reformados ou que deixaram a carreira. Faremos o mesmo para a Polícia Civil. Estamos negociando para conseguir ampliar os efetivos das duas corporações.

    Qual o déficit das polícias e como ele impacta na manutenção da segurança na cidade?

    A Civil está sem concurso desde 1993. A realidade na cidade era outra naquele período, tínhamos uma população muito menor. A realidade do Entorno também era outra. Brasília não é só Brasília, são 4 milhões de pessoas, somando as populações do DF e do Entorno. Precisamos abrir concurso de pelo menos 2 mil novas vagas na Civil. Para a PM, vamos contratar mil por ano até 2014.

    Os índices de sequestro-relâmpago são crescentes comparando o primeiro semestre deste ano com o mesmo período do ano passado. Alguma medida específica será tomada?

    Todos os índices de violência estão caindo quando levamos em consideração o mesmo período do ano passado. Com o programa Ação pela Vida, obtivemos bons resultados, curva de queda na maioria das variáveis, inclusive nos roubos com restrição de liberdade. O problema é que, ao comparar, o primeiro semestre deste ano com o do ano passado, inclui-se o período em que a Polícia Militar fez a Operação Tartaruga. O       Ação pela Vida continuará porque vemos a segurança como uma política integrada com outras áreas de Estado. Segurança é ciência, planejamento e estratégia.

     Como a cidade está se preparando para os grandes eventos esportivos que vai sediar?

     Estamos fazendo fortes investimentos. Brasília terá um dos dois centros nacionais de segurança do país. Nós estamos cedendo a edificação, o governo federal vai custear os equipamentos. Não estamos preocupados apenas com a área dos eventos, os investimentos também beneficiarão outras áreas do DF. Serão instaladas câmeras de vigilância eletrônica nas outras cidades. Serão pelo menos 30 câmeras para cada cidade.  de http://espacolivrepmdf.blogspot.com.br   http://reajuste.com

 

 

eXTReMe Tracker