Últimas Notícias

Sociedade Militar

Revista sociedade militar
  •    ... há uma tendência exagerada de ludicizar (*) o dia-a-dia. "Enquanto estivermos representando e interpretando com bom humor as situações que deveriam gerar em nós sentimentos de grande repulsa e indignação estaremos convergindo para a falência moral de nosso país, cuja cultura imposta tem cada vez mais a propriedade de fazer com que transformemos falcatruas em comédias, atores em espectadores e malfeitores em simples palhaços, sempre nos induzindo a achar graça de nossa própria desgraça."  

  •     Porém, O Ministério público deve recorrer da decisão. O que significa na prática que o militar permanece sendo sancionado. A partir do momento em que é indiciado como réu em processo criminal, diferente do que ocorre com os civis, o militar fica sujeito a uma série de sanções, pois passa para a condição de sub judice. Isso significa que enquanto o processo não terminar por completo estará impedido de realizar concursos internos, não poderá ser promovido, não poderá ser transferido e nem poderá ir para a reserva remunerada, independente de ter sido absolvido ou não em primeira instância.

  • Dentro do projeto esquerdista de mudar o passado do Brasil há várias propostas em andamento em instâncias estaduais e municipais. Obviamente algumas modificações tem sido realizadas sem estardalhaço. Veja abaixo.

  • Projeto de descriminalização da MACONHA é a ponta do iceberg. Há muito mais coisas envolvidas. Revista Sociedade Militar Online Anistia pra traficantes, ficha limpa para anistiados e aplicação exclusiva de impostos estão na pauta.    Será que eles pensam que a sociedade é formada por idiotas, ou por um bando de ignorantes incapaz de discutir projetos mais elaborados? O projeto de lei 7770/14, de autoria de Jean Wyllys, tem muito mais coisa envolvida do que a “simples” legalização da maconha. Foi implantado no projeto a anistia, redução de penas e ficha limpa para criminosos condenados por tráfico de drogas.    O Brasil está preparado para comercializar livremente drogas? A resposta, obvia, que instantaneamente vem à nossa mente é um claro e sonoro NÃO. Se não temos condições de fiscalizar sequer a venda de CDs piratas nas grandes cidades como podemos crer que haverá uma fiscalização eficaz que poderá regular qualidade e quantidades da droga, idade dos compradores, propaganda etc? Acabamos de sair de uma grande campanha contra o fumo, vício que consumia e, ainda consome, rios de dinheiro em tratamento de saúde aos afligidos pelas inúmeras moléstias causadas pelo uso do cigarro, e ja estamos prestes a impor outra desgraça aos nossos jovens.     Além disso tudo o artigo 21 do projeto apresentado pelo PSOL é bastante polêmico, e apesar desse ponto nunca ser mencionado pela mídia, propõe que traficantes já condenados pela venda de maconha sejam anistiados. Ele diz: É concedida anistia a todos que, antes da sanção da presente lei, cometeram crimes os crimes de: “remeter, preparar, produzir, fabricar, adquirir, vender, expor à venda, oferecer, ter em depósito, transportar, trazer consigo, guardar, prescrever, ministrar, entregar a consumo ou fornecer drogas, ainda que gratuitamente, sem autorização ou em desacordo com determinação legal ou regulamentar”, sempre que a droga que tiver sido objeto da conduta anteriormente ilícita por elas praticada tenha sido a Cannabis, derivados e produtos de Cannabis.{jcomments on}    Pelo que vemos acima, o tráficante condenado deverá ser perdoado, desde que não tenha “praticado com violência”. Ora, pode até ser que o traficante beneficiado com a anistia não tenha usado de violência. Porém, todos nós, inclusive ele, sabemos como funciona o tráfico de drogas. Sabemos quantas pessoas são assassinadas e quantas famílias são destruídas para que a droga chegue nas mãos do usuário.  Não poderia deixar de mencionar quo o anistiado voltará a ser FICHA LIMPA, todos os seus antecedentes criminais serão apagados.  O artigo 63 do projeto prescreve que os impostos arrecadados com a comercialização da maconha deverão ser utilizados exclusivamente no tratamento da dependência química e em estudos sobre o uso medicinal da erva. Isso vai de encontro à racionalidade. Afinal, dentro da complexidade de um sistema como o nosso nenhuma atividade pode reivindicar para si toda arrecadação que gera. Todo o comércio varegista compartilha das mesmas estradas, pedágios, segurança, saúde, organização e tudo o mais necessário para o andamento do sistema. Portanto, todos têm de contribuir, sem privilégios para qualquer atividade. Não seria nada justo que um setor específico tivesse vantagens. Imagine que os impostos arrecadados com loterias fossem usados exclusivamente para o tratamento do vício do jogo, que os impostos da venda de veículos fosse usados somente em questões ligadas aos automóveis, seria um absurdo, definitivamente invíável no sistema em que vivemos.     Essa proposta é praticamente a confissão de que se trata de uma atividade problemática.      Parece que a imprensa tem omitido da discussão pública vários pontos dessa lei. O que tem se colocado em dezenas de enquetes é a simples pergunta: "Você é a favor ou contra a liberação da maconha?", que está muito aquém do revolucionário projeto de 67 artigos. Robson A.D.Silva Http://sociedademilitar.com.br    

  •     ... Um texto divulgado hoje por Mercadante, a mando de Dilma, diz que a Presidente assume a responsabilidade pelo erro na questão Passadena... Mas ele faz questão de dizer “Nos termos do resumo executivo”, veja abaixo.

Últimos comentários

  • Militares aguardam anúncio de reajuste.

    29.08.2012 18:59
    Se for 45% de uma só vez , tudo bem,se for em 3 anos ficaremos na mesma miséria,a inflação é a maldição. :lol:

    Leia mais ...

     
  • Dezoito categorias aceitaram as propostas do governo federal, mas policiais e funcionários do Incra decidiram manter a greve.

    28.08.2012 18:08
    Não aguento mais essa novela, mas creio que essa semana acaba, só quero saber o índice para os militares para nos planejarmos para mais 3 anos de penúria!

    Leia mais ...

     
  • Militares aguardam anúncio de reajuste.

    27.08.2012 20:32
    Espero que dessa vez saia, tantos alarmes falsos...

    Leia mais ...

 
 
 

Policiais de Belém – Luta pelo reajuste.

 

 

policia belém manifestação salarios
   Lembramos que há três dias alguns policiais militares foram acusados de incitar por meio das redes sociais (Facebook) a mobilização por um reajuste digno para a categoria. Os policiais foram enquadrados no estatuto dos militares.

Policiais civis realizaram uma manifestação ontem em frente à Secretaria Estadual de Administração (Sead), na travessa do Chaco, com a avenida Almirante Barroso, no bairro do Marco, para reivindicar melhores salários e condições de trabalho. A categoria ameaça entrar em greve caso as negociações com o governo não avancem.

Aproximadamente 100 policiais se concentraram em frente à Sead pedindo que uma comissão de servidores fosse recebida pela titular da Secretaria, Alice Viana. Na pauta de discussão, a categoria pede incorporação do abono salarial ao vencimento base, aumento do número de vagas para progressão funcional e gratificação de escolaridade (nível superior) administrativamente. "Queremos a incorporação de R$ 540 ao vencimento, que é de R$ 670", afirmou Rubens Teixeira, presidente do Sindicato dos Servidores Públicos do Estado do Pará (Sindpol/PA).

O valor de plantões extras pagos aos policiais também está entre as reivindicações. "Nós recebemos R$180 para um plantão de 24h, é um absurdo", disse. A nomeação de delegados, investigadores e policiais civis do concurso C149, de 2010, é outra exigência. O número de profissionais atuando atualmente estaria muito abaixo do necessário. "Temos em torno de 2.548 policiais em todo o estado. Considerando os que estão de licença ou se aposentando e as férias, temos 1.869 policiais para trabalhar em todo o estado", ressaltou Teixeira.

A recente decisão da Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (Segup), de que policiais militares começarão a registrar ocorrências criminais, também desagrada a categoria. "A população não quer apenas fazer um B.O (Boletim de Ocorrência), quer ter delegados, escrivães. Colocar policiais militares não é a solução, não vamos admitir isso", informou.

 

DUAS HORAS EM FRENTE A SEAD

A categoria passou mais de duas horas em frente à Sead e a comissão não foi recebida para negociação. Em nota, a Sead informou que "tem buscado honrar com o conjunto dos servidores públicos, especialmente no que se refere ao mês de revisão anual de salários, previsto no Regime Jurídico Único (RJU), que é o mês da data base-abril".

A Secretaria afirmou ainda que "não há nenhum descumprimento de compromisso com os servidores públicos, posto que a data base é abril e o reajuste a ser acordado com os servidores só incidirá na folha ao final do citado mês".

Trânsito engarrafado e nada decidido

Como não foram recebidos pela secretária de Administração, os policiais fecharam os dois sentidos da avenida Almirante Barroso, em sinal de protesto, gerando um engarrafamento quilométrico. Antes disso, os policiais souberam, através de uma nota enviada à imprensa, que uma reunião estava agendada com Alice Viana para o dia 21, às 9h30, na Sead. Os manifestantes pediram, por cerca de uma hora, para que o presidente do sindicato, Rubens Teixeira, entrasse para receber a assinatura que daria ciência ao acordo.

Essa indecisão sobre receber ou não o sindicato foi o que gerou o fechamento das duas vias. "Eu quero saber se eles engoliram a chave", reclamou um dos policiais que aguardavam na chuva a autorização de entrada do presidente. Assinado por volta das 14h, o documento foi mostrado aos manifestantes, que decidiram liberar pacificamente a via e aguardar a discussão das reivindicações no novo encontro marcado. 

Dados de wdnoticias e foto de Diario Online

http://reajuste.info

 

Contribute!
Books!
Shop!
eXTReMe Tracker