Últimas Notícias

Sociedade Militar

Revista sociedade militar
  • Discurso de DILMA hoje na reunião do MERCOSUL. Intriga com ISRAEL permanece.    Dilma novamente declara que o Brasil acha desproporcional a ofensiva de Israel.   Com o objetivo de destruir ainda nessa empreitada todos os túneis escavados pelo Hamas para realizar atos de terrorismo judeu, os israelenses ja disseram que só devem parar quando acabarem o serviço. A presidente Dilma, aparentemente ressentida, não desistiu de prolongar a intriga diplomática entre Brasileiros e israelenses e aproveitou a reunião do Mercosul para dar mais uma implicada.      Novamente nenhuma palavra foi dita condenando as ações do Hamas. É muito bonitinho e politicamente correto subir em uma tribuna e dizer coisas como: exigimos "cessar fogo imediato, abrangente e permanente". Nada foi sugerido que pudesse ajudar a solucionar essa guerra politico-religiosa que ja ultrapassa gerações.      Como disse o próprio Ministério das relações exteriores de Israel: "o Brasil é um parceiro diplomático irrelevante, que cria mais problemas, em vez de contribuir com soluções."    O governo brasileiro tem que aprender que em alguns casos uma "não ação" é mais eficaz que o prolongamento de uma discussão que não leva a lugar nenhum. Ou por acaso alguém acredita que Israel vai deixar de se defender dos ataques terroristas pelo ar e por baixo da terra simplesmente porque o Brasil fez beicinho?   O presidente venezuelano endossou as palavras de Dilma e disse que "há um profundo sentimento de solidariedade com o povo palestino e que há consenso quanto à necessidade de um cessar-fogo imediato na região e de retomada das conversações de paz'.    Um extrato do discurso de Dilma Roussef em 29/07/2014, em Caracas.    Não podemos também negligenciar uma inserção de nossas economias no mundo global, porque o Mercosul não é um espaço econômico insignificante.... Nosso compromisso com a estabilidade e a paz se estende a todos os quadrantes do mundo. Não podemos aceitar impassíveis a escalada de violência entre Israel e Palestina. Desde o princípio, o Brasil condenou o lançamento de foguetes e morteiros contra Israel e reconheceu o direito israelense de se defender. No entanto, é necessário ressaltar nossa mais veemente condenação ao uso desproporcional da força por Israel na Faixa de Gaza, do qual resultou elevado número de vítimas civis, incluindo mulheres e crianças.     O governo brasileiro reitera seu chamado a um cessar-fogo imediato, abrangente e permanente entre as partes. O Brasil, em todos os fóruns, em todas as aberturas da Assembleia-Geral da ONU, que nós temos o privilégio de dar início, manifestou que a construção da paz naquela região do mundo passa pela construção de dois Estados, passa pela construção de um Estado de Israel já operante, já construído e já sólido, e por um Estado Palestino, por quê? Porque consideramos que para a estabilidade da região e até para a segurança de Israel, a existência dos dois Estados é precondição. Acreditamos que o conflito israelo-palestino é um conflito que tem um potencial de desestabilizar toda aquela região. Por isso, reiteramos essa questão do cessar-fogo imediato, abrangente e permanente.     http://sociedademilitar.com.br    

  • Brasil articula com MERCOSUL nota conjunta contra ISRAEL. Anões da diplomacia parte 2? O site esquerdista 257 publicou hoje que o governo pretende se unir a seus parceiros do MERCOSUL para a publicação de nota conjunta em repúdio aos bombardeios em GAZA e declaração do Ministro israelense, que qualificou a diplomacia brasileira como insignificante. O texto do 247 é o seguinte, em vermelho, é claro. Depois voltamos. 247 – Após assumir dianteira na censura contra os abusos cometidos por Israel na Faixa de Gaza, o Brasil articula posição do Mercosul contra o país de Benjamin Netanyahu. O tema será discutido pelos líderes dos cinco países que compõem o Mercado Comum do Sul (Mercosul), na 46ª Cúpula do bloco, marcada para a próxima terça-feira (29), em Caracas, Venezuela. O governo Dilma e o Itamaraty divulgaram notas condenando "energicamente o uso desproporcional da força" por Israel em conflito na Faixa de Gaza. O massacre já matou 700 palestinos em Gaza, a maioria civis. As declarações foram hostilizadas pelo país. Em resposta, o ministro Luiz Alberto Figueiredo rebateu comentário feito pela chancelaria de Israel de que o Brasil é um "anão diplomático": "Somos um dos 11 países do mundo que têm relações diplomáticas com todos os membros da ONU e temos um histórico de cooperação pela paz e ação pela paz internacional. Se há algum anão diplomático, o Brasil não é um deles", afirmou. Retornamos. O Ministro Alberto Figueiredo tenta usar o histórico brasileiro para endossar as trapalhadas diplomáticas dos últimos anos. Toda a comunidade internacional tem visto, nessa última década, o Brasil bajular líderes ligados ao terrorismo internacional, como Fidel Castro, Hugo Chaves e Mahmoud Ahmadinejad. Todo o planeta testemunhou as baboseiras ditas e feitas durante as crises em Honduras e Paraguái. Como não qualificar nossa atual diplomacia como contraproducente? Não se trata de chamar o Brasil, ou a sociedade brasileira de insignificante, o adjetivo teve um endereço certo, o governo atual, e sua política de apoiar qualquer um que se faça de fraco, vítima ou discriminado socialmente. Repetimos aqui na Revista Sociedade Militar, ninguém deseja tantas mortes em GAZA. Contudo, Israel tem o dever de reprimir os ataques vindos de Hamas contra seu território. Em gaza qualquer um é soldado, inclusive crianças (veja aqui). O grupo terrorista desrespeita todas as convenções quando usa combatentes à paisana e esconde armas em hospitais e residências. Por que ninguém condena isso? Por que ninguém sequer menciona isso? O MERCOSUL estará reunido na próxima terça (29/07) em CARACAS. O mínimo que nossa chancelaria deveria fazer é se colocar longe dessa questão. Deixando de acrescentar problemas para um país que já tem muito o que se preocupar. http://sociedademilitar.com.br        

  • Santander RECUA e demite funcionários diante de pressões da esquerda. Agora mesmo (26/07), qualquer um que acessar o endereço eletrônico http://www.santander.com.br/ vai se deparar com uma mensagem do banco se desculpando por comunicação que enviou aos seus correntistas. O banco foi duramente advertido por ter distribuído uma mensagem que diz que a re-eleição de Dilma oferece serio risco à economia. A mensagem diz ainda que enquanto Dilma estiver em baixa o IBOVESPA permanecerá em alta. Os economistas do banco multinacional chegaram a conclusão de que a estabilidade econômica brasileira é inversamente proporcional ao status eleitoral de Dilma Roussef. O jornal Folha de Vitória publicou o seguinte: Falcão afirmou que "já vimos este filme no passado". "Criaram o Lulômetro, para medir como é que a Bolsa oscilava. E agora mesmo tem essas especulações, a Bolsa sobre, a Bolsa desce. E (isso) deve estar beneficiando inclusive quem não está interessado no resultado eleitoral, mas em ganhar dinheiro com especulação", afirmou. Ele contou ter sido informado de que o banco pediu desculpas formais por carta à Presidência e promoveu demissões de envolvidos na produção do texto. Hoje o todo poderoso do PT, Rui Falcão, disse o seguinte: “A informação que deram é que estão demitindo todo o setor que foi responsável pela produção do texto. Inclusive gente de cima. E estão procurando uma maneira resgatar o que fizeram”. O Santander confirmou a autenticidade do texto e, em comunicado enviado à imprensa e publicado também na primeira página de seu site, afirmou que o texto feriu a diretriz interna que estabelece que toda e qualquer análise econômica não devem ter qualquer viés político ou partidário. Será um crime uma instituição privada orientar seus clientes e investidores, informando-os sobre o que realmente está ocorrendo no país?  O que podemos esperar agora de nossos gerentes de investimento, já que não podem mais nos dar uma assessoria completa, se isso envolver variaveis e perspectivas que englobem os resultados das eleições? Os funcionários do banco tem o dever de alertar seus clientes da forma mais completa possível sobre os riscos que correm.   O recuo do banco diante das pressões da esquerda certamente influirá muito na credibilidade dos clientes. O pequeno investidor, principalmente o que investe um fundos de ações, leva muito em conta as dicas dos funcionários do banco. Se de antemão sabe-se que a orientação não pode ser completa a credibilidade cai por terra.    O  site 247 logo saiu em defesa do Governo, a manchete foi: SANTANDER FEZ CAMPANHA ABERTA CONTRA DILMA.     O Estadão disse que a equipe de campanha de DILMA vai estudar uma medida judicial contra o Santander. Porém, seria tolice acreditar que o GOVERNO vai discutir essa questão em público. Todos ja perceberam que quando Dilma cai nas pesquisas a economia tem melhores perspectivas, e tudo que a equipe de campanha de Dilma mais abomina é que isso caia na boca do povão. A mensagem de advertência aos clientes está abaixo, e o pedido de desculpas. http://sociedademilitar.com.br    

  • Israel deveria ceder? Obvio que achamos que não. Reinaldo e Constantino atacados pela mídia esquerdista. Opinião. Essa semana em mais uma ação intimidadora por parte de aliados do governo, o site 247 atacou os articulistas Rodrigo Constantino e Reinaldo Azevedo, ambos de Veja. O texto do site 247 começa assim: "Para o Menino Maluquinho de Veja, Rodrigo Constantino, "o Itamaraty virou um braço ideológico" do PT, "sempre do lado errado nas disputas internacionais"; Reinaldo Azevedo, que também defende a tese do governo israelense de que o Brasil é um "anão diplomático", afirma que nota emitida ontem pelo governo brasileiro, que declarou "inaceitável" a escalada de violência entre Israel e Palestina, foi uma afronta ao governo israelense."    Essa manobra nada mais é do que parte do artifício terrorista que visa desestimular qualquer crítica às ações do governo atual. A intenção é que no Brasil de hoje ninguém que tenha capacidade de se expressar tenha coragem de se posicionar contra qualquer atitude do governo. Segundo o site 247, por também condenar o Hamas,  e acreditar que os israelenser tem o direito de reagir, os articulistas da Veja concordariam com a tese de que o Brasil é um anão diplomático. Em se tratando das últimas e mais significativas ações de nossa diplomacia - vide o caso Honduras, Paraguái e Bolívia - parece mesmo obvio que o ministro israelense está correto. Não se trata de chamar o Brasil, ou a sociedade brasileira de insignificante, o adjetivo teve um endereço certo, o governo atual, e sua política de apoiar qualquer um que se faça de fraco, vítima ou discriminado socialmente. Todos nós, inclusive Reinaldo e Constantino, desejam a paz em Gaza. Mas não somos idiotas a ponto de esperar que Israel vá negociar com terroristas. O objetivo principal do Hamas, assim como da Irmandade Islâmica, tão exaltada na tal primavera árabe, é destruir Israel, que consideram como intruso. O Hamas constrói túneis que partem de dentro de residências na Faixa de Gaza e entram em território israelense, o Hamas esconde armas em residências e combate usando crianças e soldados descaracterizados, descumprindo convenções internacionais, que especificam que isso não pode ocorrer. Em 2012 o Tribunal Internacional de Haia condenou o congolês Thomas Lubanga Dyilo justamente por recrutar crianças, colocando armas em suas mãos e as enviando para o combate. Por que a comunidade internacional não condena o Hamas?  Há algum tempo se formou um escândalo internacional em torno de uma fotografia que mostrava crianças israelenses assinando seus nomes em mísseis. Por outro lado, ninguém comenta nada sobre as centenas de fotografias de crianças árabes carregando seus fuzis russos Ak47. Ninguém da mídia tradicional ousa tocar na questão das perseguições e conversões forçadas de cristãos que residem na faixa de gaza.  Será que não há algo errado aí. Contra Israel todas as armas valem, mas contra os árabes tudo se tolera?  Na contabilização de mortes depois dos ataques israelenses não se faz distinção entre civis e militares, todos são sempre contabilizados como civis, já que o Hamas não é um exército institucionalizado. Robson A.D.S. e{jcomments on}m Revista Sociedade Militar.    

  • Cruz Vermelha pensa em encerrar suas atividades no país por causa de escândalo de desvio de doações. Mais uma vergonha para o Brasil. Revista Sociedade Militar    Essa semana foi caótica para a reputação de nosso país. Depois do ministro israelense dizer que o Brasil é insignificante em relação ao cenário político mundial (Veja aqui), surge um novo escândalo de proporções gigantescas, que certamente afetara a reputação do país diante da comunidade internacional. A atual diretoria da Cruz vermelha revelou que doações arrecadadas pela sede brasileira para assistir vítimas de catástrofes ocorridas na Somália, Japão e Região Serrana do Rio foram desviadas de cofres da entidade humanitária.  Uma auditoria encomendada pela própria entidade, atualmente chefiada por um coronel da reserva, descobriu que doações arrecadadas em pelo menos três campanhas foram desviadas de seus objetivos.   As campanhas foram para socorrer vítimas de conflitos na Somália, para fornecer ajuda às vítimas do maremoto de 2011 no Japão e das enchentes na região serrana do Rio de Janeiro. Nas duas primeiras campanhas, foram desviados R$ 212 mil, na terceira perto de R$ 1,6 milhão. O montante desviado desviada foi parar nos cofres de uma ONG que pertence à Alzira Qirino da Silva, mãe de Anderson Marcelo Choucino, vice-presidente da Cruz Vermelha Brasileira na época em que as doações foram arrecadadas. Segundo informações divulgadas pelo jornal Impresso Agora São Paulo, o nome da ONG seria Humanus, e pelo que apuramos, o nome correto é instituto Humanus, ou "INSTITUTO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO HUMANO". O instituto em questão foi reconhecido como de utilidade pública em 2011, conforme figura ao lado, extrato do Diário Oficial do Estado do Maranhão. Outra parcela das doações, R$ 523 mil, foi depositada em fundos de aplicações e, depois, teve destino ainda desconhecido.{jcomments on} O atual diretor da entidade no Brasil, Coronel Paulo Roberto, que é militar da reserva do Exército, vai entregar os relatórios da auditoria para a justiça. As irregularidades detectadas são relacionadas a administração anterior, Paulo Roberto disse ainda que a administração internacional já cogita a possibilidade de encerrar as atividades em nosso país. http://sociedademilitar.com.br    

Últimos comentários

  • Militares aguardam anúncio de reajuste.

    29.08.2012 18:59
    Se for 45% de uma só vez , tudo bem,se for em 3 anos ficaremos na mesma miséria,a inflação é a maldição. :lol:

    Leia mais ...

     
  • Dezoito categorias aceitaram as propostas do governo federal, mas policiais e funcionários do Incra decidiram manter a greve.

    28.08.2012 18:08
    Não aguento mais essa novela, mas creio que essa semana acaba, só quero saber o índice para os militares para nos planejarmos para mais 3 anos de penúria!

    Leia mais ...

     
  • Militares aguardam anúncio de reajuste.

    27.08.2012 20:32
    Espero que dessa vez saia, tantos alarmes falsos...

    Leia mais ...

 
 
 

Policiais de Belém – Luta pelo reajuste.

 

 

policia belém manifestação salarios
   Lembramos que há três dias alguns policiais militares foram acusados de incitar por meio das redes sociais (Facebook) a mobilização por um reajuste digno para a categoria. Os policiais foram enquadrados no estatuto dos militares.

Policiais civis realizaram uma manifestação ontem em frente à Secretaria Estadual de Administração (Sead), na travessa do Chaco, com a avenida Almirante Barroso, no bairro do Marco, para reivindicar melhores salários e condições de trabalho. A categoria ameaça entrar em greve caso as negociações com o governo não avancem.

Aproximadamente 100 policiais se concentraram em frente à Sead pedindo que uma comissão de servidores fosse recebida pela titular da Secretaria, Alice Viana. Na pauta de discussão, a categoria pede incorporação do abono salarial ao vencimento base, aumento do número de vagas para progressão funcional e gratificação de escolaridade (nível superior) administrativamente. "Queremos a incorporação de R$ 540 ao vencimento, que é de R$ 670", afirmou Rubens Teixeira, presidente do Sindicato dos Servidores Públicos do Estado do Pará (Sindpol/PA).

O valor de plantões extras pagos aos policiais também está entre as reivindicações. "Nós recebemos R$180 para um plantão de 24h, é um absurdo", disse. A nomeação de delegados, investigadores e policiais civis do concurso C149, de 2010, é outra exigência. O número de profissionais atuando atualmente estaria muito abaixo do necessário. "Temos em torno de 2.548 policiais em todo o estado. Considerando os que estão de licença ou se aposentando e as férias, temos 1.869 policiais para trabalhar em todo o estado", ressaltou Teixeira.

A recente decisão da Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (Segup), de que policiais militares começarão a registrar ocorrências criminais, também desagrada a categoria. "A população não quer apenas fazer um B.O (Boletim de Ocorrência), quer ter delegados, escrivães. Colocar policiais militares não é a solução, não vamos admitir isso", informou.

 

DUAS HORAS EM FRENTE A SEAD

A categoria passou mais de duas horas em frente à Sead e a comissão não foi recebida para negociação. Em nota, a Sead informou que "tem buscado honrar com o conjunto dos servidores públicos, especialmente no que se refere ao mês de revisão anual de salários, previsto no Regime Jurídico Único (RJU), que é o mês da data base-abril".

A Secretaria afirmou ainda que "não há nenhum descumprimento de compromisso com os servidores públicos, posto que a data base é abril e o reajuste a ser acordado com os servidores só incidirá na folha ao final do citado mês".

Trânsito engarrafado e nada decidido

Como não foram recebidos pela secretária de Administração, os policiais fecharam os dois sentidos da avenida Almirante Barroso, em sinal de protesto, gerando um engarrafamento quilométrico. Antes disso, os policiais souberam, através de uma nota enviada à imprensa, que uma reunião estava agendada com Alice Viana para o dia 21, às 9h30, na Sead. Os manifestantes pediram, por cerca de uma hora, para que o presidente do sindicato, Rubens Teixeira, entrasse para receber a assinatura que daria ciência ao acordo.

Essa indecisão sobre receber ou não o sindicato foi o que gerou o fechamento das duas vias. "Eu quero saber se eles engoliram a chave", reclamou um dos policiais que aguardavam na chuva a autorização de entrada do presidente. Assinado por volta das 14h, o documento foi mostrado aos manifestantes, que decidiram liberar pacificamente a via e aguardar a discussão das reivindicações no novo encontro marcado. 

Dados de wdnoticias e foto de Diario Online

http://reajuste.info

 

Contribute!
Books!
Shop!
eXTReMe Tracker