MILITARES. Reajuste de 15% já foi devorado pela inflação.

 

Os militares federais, que esperaram em vão que o governo federal lhe concedesse um reajuste que pelo menos repusesse as perdas ocorridas desde a última “reposição”, receberam um reajuste de 15,8%. Ontem o IBGE divulgou alguns dados importantes, a inflação dos últimos 12 meses ficou em torno de 7%, segundo o site reajuste.info.  

Em termos práticos uma inflação de 7% significa que as famílias terão que deixar de consumir todos os meses alguma coisa importante. Um primeiro sargento do exército, que recebe em torno de R$ 4.000 reais, terá que deixar de comprar o equivalente a R$ 280, ou seja, menos 18 quilos de carne.  

O governo já anunciou que haverá redução de gastos, e que não vai realizá-los nos serviços sociais distribuídos. Portanto, o funcionalismo público pode entender isso como uma antevisão de tempos complicados, já que há sempre uma esperança de reposição. O pagamento dos tão esperados 28% também corre o risco de mais uma vez ser colocado no fim da fila de prioridades do governo federal.

eXTReMe Tracker