Últimas Notícias

Sociedade Militar

Revista sociedade militar
  • Dentro do projeto esquerdista de mudar o passado do Brasil há várias propostas em andamento em instâncias estaduais e municipais. Obviamente algumas modificações tem sido realizadas sem estardalhaço. Veja abaixo.

  • Projeto de descriminalização da MACONHA é a ponta do iceberg. Há muito mais coisas envolvidas. Revista Sociedade Militar Online Anistia pra traficantes, ficha limpa para anistiados e aplicação exclusiva de impostos estão na pauta.    Será que eles pensam que a sociedade é formada por idiotas, ou por um bando de ignorantes incapaz de discutir projetos mais elaborados? O projeto de lei 7770/14, de autoria de Jean Wyllys, tem muito mais coisa envolvida do que a “simples” legalização da maconha. Foi implantado no projeto a anistia, redução de penas e ficha limpa para criminosos condenados por tráfico de drogas.    O Brasil está preparado para comercializar livremente drogas? A resposta, obvia, que instantaneamente vem à nossa mente é um claro e sonoro NÃO. Se não temos condições de fiscalizar sequer a venda de CDs piratas nas grandes cidades como podemos crer que haverá uma fiscalização eficaz que poderá regular qualidade e quantidades da droga, idade dos compradores, propaganda etc? Acabamos de sair de uma grande campanha contra o fumo, vício que consumia e, ainda consome, rios de dinheiro em tratamento de saúde aos afligidos pelas inúmeras moléstias causadas pelo uso do cigarro, e ja estamos prestes a impor outra desgraça aos nossos jovens.     Além disso tudo o artigo 21 do projeto apresentado pelo PSOL é bastante polêmico, e apesar desse ponto nunca ser mencionado pela mídia, propõe que traficantes já condenados pela venda de maconha sejam anistiados. Ele diz: É concedida anistia a todos que, antes da sanção da presente lei, cometeram crimes os crimes de: “remeter, preparar, produzir, fabricar, adquirir, vender, expor à venda, oferecer, ter em depósito, transportar, trazer consigo, guardar, prescrever, ministrar, entregar a consumo ou fornecer drogas, ainda que gratuitamente, sem autorização ou em desacordo com determinação legal ou regulamentar”, sempre que a droga que tiver sido objeto da conduta anteriormente ilícita por elas praticada tenha sido a Cannabis, derivados e produtos de Cannabis.{jcomments on}    Pelo que vemos acima, o tráficante condenado deverá ser perdoado, desde que não tenha “praticado com violência”. Ora, pode até ser que o traficante beneficiado com a anistia não tenha usado de violência. Porém, todos nós, inclusive ele, sabemos como funciona o tráfico de drogas. Sabemos quantas pessoas são assassinadas e quantas famílias são destruídas para que a droga chegue nas mãos do usuário.  Não poderia deixar de mencionar quo o anistiado voltará a ser FICHA LIMPA, todos os seus antecedentes criminais serão apagados.  O artigo 63 do projeto prescreve que os impostos arrecadados com a comercialização da maconha deverão ser utilizados exclusivamente no tratamento da dependência química e em estudos sobre o uso medicinal da erva. Isso vai de encontro à racionalidade. Afinal, dentro da complexidade de um sistema como o nosso nenhuma atividade pode reivindicar para si toda arrecadação que gera. Todo o comércio varegista compartilha das mesmas estradas, pedágios, segurança, saúde, organização e tudo o mais necessário para o andamento do sistema. Portanto, todos têm de contribuir, sem privilégios para qualquer atividade. Não seria nada justo que um setor específico tivesse vantagens. Imagine que os impostos arrecadados com loterias fossem usados exclusivamente para o tratamento do vício do jogo, que os impostos da venda de veículos fosse usados somente em questões ligadas aos automóveis, seria um absurdo, definitivamente invíável no sistema em que vivemos.     Essa proposta é praticamente a confissão de que se trata de uma atividade problemática.      Parece que a imprensa tem omitido da discussão pública vários pontos dessa lei. O que tem se colocado em dezenas de enquetes é a simples pergunta: "Você é a favor ou contra a liberação da maconha?", que está muito aquém do revolucionário projeto de 67 artigos. Robson A.D.Silva Http://sociedademilitar.com.br    

  •     ... Um texto divulgado hoje por Mercadante, a mando de Dilma, diz que a Presidente assume a responsabilidade pelo erro na questão Passadena... Mas ele faz questão de dizer “Nos termos do resumo executivo”, veja abaixo.

  • Flâmula número 13. Mistério esclarecido. Estamos traumatizados? Sobressaltados? Não sabemos mais em quem acreditar?    Na semana passada recebemos vários e-mails denunciando uma suposta adulteração maldosa, em quadros do vídeo gerado pelo Ministério da Defesa, de uma imagem que remeteria ao Partido dos Trabalhadores. Se tratava do número 13 que estaria "encaixado" em uma flâmula verde e amarela.   A equipe da Revista Sociedade Militar não acreditou que se tratasse de uma “mensagem subliminar”, mas realmente as dúvidas eram fundamentadas. Resolvemos então solicitar a colaboração de nossos leitores. Postamos no site o seguinte. (Aqui)    Algumas pessoas acreditam que foi inserida ali depois, que é um tipo de brincadeira, falta de atenção de alguém que escolheu as imagens etc. Sites mais "assustados" dizem que a bandeira é algum tipo de mensagem subliminar inserida pelo governo.. Por enquanto não tiramos ainda conclusões. Se algum leitor souber de algo mais, ou tiver a imagem original, poste nos comentários, agradeceríamos muito. O que poderia causar essa imagem subliminar que nada tinha de subliminar, já que na verdade era evidente demais. Havia a possibilidade de ter sido algum tipo de brincadeira, chacota etc., feita por alguém mal intencionado possivelmente em alguma agência de propaganda contratada pelo Min.da Defesa. Afinal, vivemos num país onde até instituições oficiais cometem equívocos que vão além do imaginário, como foi o caso da pesquisa recente sobre os estupros. A explicação chegou até nós por meio de um leitor, veja abaixo. (...) Alertadas por e-mails de leitores, a Academia e o Núcleo Vae Victis imediatamente buscaram esclarecer os fatos, através da análise do que era mostrado e da leitura dos comentários, muitos bastante agressivos e de caráter malicioso. Eis que, embora não possamos levar as informações factuais à rede na mesma velocidade com que as bobagens se espalham – até porque, profissionalmente, é necessária a indispensável checagem, revisão, compreensão e descrição dos dados – em menos de 24 horas, as instituições desenvolveram uma defesa adequada à importância do fato, com vistas ao esclarecimento do público à polêmica. Aconetce que a imagem em questão é a reprodução de um quadro, obra de inquestionável valor histórico e artístico, elaborada por um Acadêmico da AHIMTB/RS, Coronel de Cavalaria e Estado-Maior Pedro Paulo Cantalice Estigarríbia, Acadêmico Emérito da Federação das Academias de História Militar Terrestre do Brasil (FAHIMTB), o qual ocupava a Cadeira Especial Pintor Alecebíades Miranda Júnior. A pintura é de 2003 e retrata, de acordo com o artista, o desembarque do 13º Batalhão de Infantaria na foz do Arroio Atajo, flanqueando o Forte Itapiru, na Guerra do Paraguai. Este batalhão é um dos antecessores do atual 18º Batalhão de Infantaria Motorizado, sediado em Sapucaia do Sul, RS. Na mesma pintura aparece a Insígnia de Comando do referido Batalhão, a qual possui, exatamente, as duas faixas horizontais nas cores verde e amarelo, e a identificação da unidade em fundo vermelho com o número de ordem 13º em branco. Portanto, a imagem tem parâmetros históricos claros, bem definidos e corretos, não se referenciando, em nenhuma hipótese, a partido, governo, ou quaisquer outros aspectos que não os da História Militar.{jcomments on} Http://sociedademilitar.com.br  

  •   Além de infringir o direito de qualquer um se vestir como desejar, a lei é mal formulada pois dá márgem à interpretações subjetivas,dependendo de posições de câmeras e opinião de vigilantes.

Últimos comentários

  • Militares aguardam anúncio de reajuste.

    29.08.2012 18:59
    Se for 45% de uma só vez , tudo bem,se for em 3 anos ficaremos na mesma miséria,a inflação é a maldição. :lol:

    Leia mais ...

     
  • Dezoito categorias aceitaram as propostas do governo federal, mas policiais e funcionários do Incra decidiram manter a greve.

    28.08.2012 18:08
    Não aguento mais essa novela, mas creio que essa semana acaba, só quero saber o índice para os militares para nos planejarmos para mais 3 anos de penúria!

    Leia mais ...

     
  • Militares aguardam anúncio de reajuste.

    27.08.2012 20:32
    Espero que dessa vez saia, tantos alarmes falsos...

    Leia mais ...


Teto do seguro desemprego será de R$ 1.35,91 a partir de Janeiro de 2013
JANEIRO/2013
O valor máximo da parcela do benefício alcança R$ 1.235,91 neste ano, informou o Ministério do Trabalho. Esse valor foi corrigido em 6,2%. Em 2012, o valor máximo pago era de R$ 1.163,76. Caso o governo tivesse mantido a formato de correção que foi adotado em 2012, ou seja, o valor do salário mínimo, a parcela máxima paga seria de R$ 1.268,49 neste ano.O percentual de reajuste está em resolução do Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador publicada pelo Diário Oficial da União.

Cálculo do seguro-desemprego em 2013
De acordo com a tabela divulgada pelo Ministério do Trabalho, o cálculo da parcela a ser paga a título de seguro-desemprego, neste ano, obedecerá o seguinte critério: para um salário médio de até R$ 1.090,43, o valor será multiplicado por 0,8 (ou seja, será de 80%). 

Já no caso de um salário médio de R$ 1.090,44 até R$ 1.817,56, o valor será multiplicado por 0,5 (50%) somado a R$ 872,34. No caso de salários médios acima de R$ 1.187,56, o valor do seguro-desemprego será de, invariavelmente, R$ 1.235,91.

Valor do salário médio
A apuração do valor do benefício tem como base o salário mensal do último vínculo empregatício, na seguinte ordem: tendo o trabalhador recebido três ou mais salários mensais a contar desse último vínculo empregatício, a apuração considerará a média dos salários dos últimos três meses.

Caso o trabalhador, em vez dos três últimos salários daquele vínculo empregatício, tenha recebido apenas dois salários mensais, a apuração considerará a média dos salários dos dois últimos meses; ou caso o trabalhador, em vez dos três ou dois últimos salários daquele mesmo vínculo empregatício, tenha recebido apenas o último salário mensal, este será considerado, para fins de apuração. Caso o trabalhador não tenha trabalhado integralmente em qualquer um dos últimos três meses, o salário será calculado com base no mês de trabalho completo.

Dados do G1 e Ministério do trabalho.

http://reajuste.info

 
 
Contribute!
Books!
Shop!
eXTReMe Tracker